≡ 8 artistas negros para homenagear no dia da Consciência Negra ➤ Brain Berries

8 artistas negros para homenagear no dia da Consciência Negra

Advertisements

Como todo mundo deve saber, novembro é o mês da Consciência Negra no Brasil – uma data que é celebrada especificamente no dia 20, em referência ao assassinato de Zumbi, líder do Quilombo dos Palmares. Além de lembrar a luta contra a escravização dos negros no Brasil, novembro nos motiva a homenagear personalidades negras que ganharam ou vêm ganhado destaque em áreas importantes.

Por isso, nesse post te contamos mais sobre 8 artistas negros que vêm tendo (ou tiveram) destaque em variados campos artísticos – desde cantores a escritores e artistas plásticos.

1 – Conceição Evaristo (Escritora)

Nascida em 29 de novembro de 1946, Conceição Evaristo é uma escritora contemporânea que estreou na literatura em 1990, com a publicação de alguns poemas na coletânea Cadernos Negros. Desde então, Evaristo publicou sete obras – seu último romance, “Canção para ninar menino grande”, foi escrito em 2018. A história da autora é marcada pela superação. Quando criança, morou em uma favela na capital mineira, sendo a segunda de nove irmãos. Seus textos refletem a realidade das favelas e do preconceito.

2 – Wilson Tibério (Artista plástico)

Considerado um gênio das artes plásticas, Wilson Tibério viveu entre 1923 e 2005. Muita gente não conhece o pintor e escultor aqui no Brasil, mas a sua obra o levou ao sucesso em Paris, para onde Tibério foi ao ser oferecido uma bolsa de estudos pela Embaixada Francesa.

3 – IZA (Cantora e compositora)

Um grande ícone e exemplo de artista atualmente, IZA é uma compositora, cantora e apresentadora cheia de carisma e com forte posição política focada no empoderamento da mulher negra. Em 2018, ela lançou o seu álbum de estreia, mas o single “Pesadão” saiu em 2017, ficando entre as músicas mais tocadas no país – desde então, IZA vem ganhando o coração de uma legião de fãs. Em 2019, ela estreou como jurada no The Voice Brasil.

4 – Maria Auxiliadora (Pintora)

Neta de uma mulher escravizada, Maria Auxiliadora foi uma pintora incrível que viveu entre 1935 e 1974. Ela veio de uma família de artistas autodidatas e militantes do movimento negro. Sua obra artística é única, sendo composta principalmente por corpos negros e representando as tradições religiosas e culturais afro-brasileiras. Maria Auxiliadora foi reconhecida como artista competente tanto no Brasil quanto no exterior, recebendo homenagens após o seu falecimento em museus europeus.

5 – Zudizilla (Rapper)

Nascido em Pelotas, Zudizilla é um artista completo – designer, artista plástico, grafiteiro, e, como é mais conhecido, rapper. No dia 20 de Novembro de 2019, o rapper gaúcho Zudizilla lançou o clipe “Sem Distração” em homenagem ao dia da Consciência Negra. O clipe foi gravado na África do Sul com participação especial de Manoela Fortuna. Seu segundo álbum “De onde eu possa alcançar o céu sem deixar o chão”, está disponível no Spotify.

6 – Ruth de Souza (Atriz)

Uma mulher que fez história, Ruth de Souza foi a primeira atriz negra a conseguir um papel atuando no Theatro Municipal, em maio de 1945. Nascida em 1921 no subúrbio carioca, Ruth faleceu aos 98 anos, em 2019. Ela também foi uma das pioneiras na televisão, passando pela TV Tupi, Record, e TV Excelsior.

7 – Carolina Maria de Jesus (Escritora)

Autora do renomado “Quarto de Despejo: Diário de uma Favelada”, Carolina Maria de Jesus foi uma escritora e poetisa, considerada uma das mais relevantes na literatura brasileira pela riqueza de sua obra. Foram mais de cinco mil páginas manuscritas, com romances, contos, poemas e outros textos de diferentes gêneros. Carolina de Jesus viveu entre 1914 e 1977, e teve uma origem muito humilde – além de ter sido uma entre oito filhos de uma lavadeira, ela teve uma vida difícil na favela e catava papel para sobreviver, até ter sido descoberta por um jornalista.

8 – Aleijadinho (Escultor)

Todo mundo já deve ter ouvido falar do artista Aleijadinho na escola. O escultor, batizado Antônio Francisco Lisboa, viveu no Brasil colônia entre 1730 e 1814, e era filho de uma mulher negra escravizada e um português. Aleijadinho aprendeu a esculpir quando criança, mas não pôde assinar muitas de suas obras por ser reconhecido como mestiço. Uma doença deformou suas mãos e pés, dando origem ao apelido.

Loading...